Pergunta da Semana Anterior
 
Publicada em 20/08/2010

Uma paciente jovem vem ao seu consultório com diagnóstico de síncopes vasovagais. O tilt test demonstrou resposta vasoplégica. Qual a sua conduta?

Orientações quanto à hidratação, manobras de aumento do retorno venoso e profilaxia de quedas.
 
  78,6%
Meias elásticas
 
  4,3%
Atenolol
 
  5,8%
Fludrocortisona
 
  9,7%
Midodrina
 
  1,6%

Comentário da Pergunta da Semana anterior

Autor: Dra. Luciana Sacilotto*

A síncope vasovagal (reflexa, neurocardiogênica ou neuromediada) consiste na perda súbita da consciência e do tônus postural, seguida da recuperação rápida, completa e espontânea. É a causa mais frequente de síncope em jovens saudáveis que, com a recorrência dos sintomas, podem ter conseqüências psicológicas e grave comprometimento na qualidade de vida. É desencadeada por estresse emocional ou pela posição ortostática e, em geral, é precedida por sintomas autonômicos como náusea, calor e sudorese.

O reflexo, ainda não satisfatoriamente elucidado, decorre de um aumento indesejável da atividade eferente vagal e redução da atividade simpática, determinando queda da pressão arterial e/ou da freqüência cardíaca, resultando em hipoperfusão cerebral difusa transitória. A classificação é baseada na via eferente preferencialmente envolvida ? simpática ou parassimpática. A resposta ?vasodepressora? é quando a hipotensão é decorrente da perda do tônus vasoconstritor, a ?cardioinibitória? decorre de bradicardia ou assistolia e, por fim, a resposta ?mista? indica que os dois mecanismos estão presentes.

O diagnóstico de síncope reflexa é clínico: presume a compreensão do termo síncope e envolve o reconhecimento de pacientes de alto risco, ou seja, aqueles que necessitam de investigação cardiológica complementar. O tilt test não deve ser empregado nesta situação, mas é de grande valia quando a síncope é recorrente, quando há necessidade de reforço diagnóstico e de conforto para o paciente ou ainda quando há situação de risco (ocorrência de injúria física, profissões de risco, atletas).

As tabelas abaixo destacam as características principais que devem ser exploradas na avaliação do paciente com síncope.

 

O tratamento da síncope vasovagal (tabela abaixo) inclui adequada hidratação, aumento da ingesta salina (salvo contra-indicações) e uso de meias elásticas. Exercícios físicos específicos e treinamento postural ensinados aos pacientes (tilt training) comprovadamente melhoram a qualidade de vida. Manobras musculares que aumentam retorno venoso podem ser usadas durante o pródromo para evitar a ocorrência de síncope e de traumas associados, assim como o decúbito em trendelemburg para recuperação hemodinâmica.

As medidas farmacológicas são recomendadas quando há resposta insatisfatória às medidas comportamentais citadas, sendo mais eficazes a Fludrocortizona e a Midodrina. Esta última, porém, não é disponível no Brasil.

 

*Luciana Saciloto é medica-pesquisadora da Unidade de Arritmia do Instituto do Coração (InCor-HCFMUSP).

Bibliografia

1. Hachul D. Teste de Inclinação ? tilt test. Clínica Médica HCFMUSP, volume 2. Ed. Manole, 2009.

2. Gardenghi G, Rondon MU, Braga AM, Scanavacca MI, Negrão CE, Sosa E, Hachul DT. The effects of exercise training on arterial baroreflex sensitivity in neurally mediated syncope patients. Eur Heart J 2007; 28(22): 2749-55.

3. Guidelines for the diagnosis and management of syncope (version 2009): the Task Force for the Diagnosis and Management of Syncope of the European Society of Cardiology (ESC). Eur Heart J 2009; 30(21): 2631-71.

Desenvolvido pela Diretoria de Tecnologia da SBC - Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2009 | Sociedade Brasileira De Cardiologia | Tecnologia@cardiol.br