Coleções Clínicas - Síndrome Coronária Aguda
 

Mulheres com IAM com supra de ST demoram mais a fazer o primeiro contato médico e apresentam taxas de mortalidade maiores.

Autor: Dr. Humberto Graner Moreira

Referência: RO Roswell, J Kunkes, AY Chen, K Chiswell, S Iqbal, MT Roe, S Bangalore. Impact of Sex and Contact-to-Device Time on Clinical Outcomes in Acute ST-Segment Elevation Myocardial Infarction—Findings From the National Cardiovascular Data Registry. J Am Heart Assoc 2017 Jan 11;[EPub Ahead of Print]. .

Introdução: A intervenção coronariana percutânea primária é a abordagem ideal para pacientes com infarto do miocárdio com elevação do segmento ST (IAMCEST). No entanto, este benefício é dependente do tempo até a intervenção, e atrasos são associados ao aumento da mortalidade. Com o deslocamento do foco para o tempo do primeiro contato médico com o dispositivo de revascularização (PCM-dispositivo) como uma nova métrica de perfusão, este estudo foi desenhado para examinar como o sexo afeta o tempo do PCM e a mortalidade em pacientes com IAMCEST.

Métodos e Resultados: O Registro Nacional de Dados Cardiovasculares foi utilizado para se obterem as informações referentes aos pacientes com IAMCEST no período de 2008 a 20014. Foram incluídos 102.515 pacientes na coorte final. O tempo médio de PCM-dispositivo em pacientes do sexo feminino com IAMCEST foi maior quando comparado aos pacientes do sexo masculino (80 [65-97] versus 75 [61-90] minutos, P <0,001). A mortalidade não ajustada também foi maior em mulheres do que em homens com IAMCEST (4,1% versus 2,0%, P <0,001). Para cada aumento de 5 minutos no tempo PCM-balão, o odds ratio ajustado para mortalidade foi de 1,04 (IC 95%, 1,03-1,06) para mulheres com IAMCEST e 1,07 (IC 95%: 1,06-1,09) para pacientes do sexo masculino (P-interação = 0,003).

Conclusões e Perspectivas: Até o momento, esta é a maior análise de pacientes com IAMCEST a medir o impacto da nova métrica de reperfusão PCM-dispositivo recomendada na mortalidade hospitalar. As mulheres que apresentam IAMCEST apresentaram tempos de PCM-dispositivo mais longos e aumento da mortalidade.

Há muito tempo os registros de síndromes coronárias agudas tem apontado uma incidência maior desses eventos em homens, mas uma mortalidade maior em mulheres. No entanto, ainda não se sabe as verdadeiras razões para essas diferenças entre os sexos. No caso do IAMCEST, este estudo traz uma observação adicional importante, a de que mulheres tendem a apresentar tempos maiores do primeiro contato até a revascularização. Estes resultados identificam uma área importante se melhorar quando se atende mulheres com IAMCEST.

Fórum

LEGENDA : Comentários 
                     Respostas
      

Nenhum comentário foi encontrado.
Desenvolvido pela Diretoria de Tecnologia da SBC - Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2009 | Sociedade Brasileira De Cardiologia | Tecnologia@cardiol.br